Comprar pneu remold é uma boa?

Bem mais baratos, os pneus remold chamam a atenção de muitos consumidores. Mas antes de comprar, saiba se vale a pena!

Com isso, o preço dos pneus remold chega ao consumidor em média 50% mais barato que os pneus novos.

Os remold são praticamente uma maneira de reciclar pneus desgastados, mas ainda em bom estado, ou seja, que não estejam furados ou com a ferragem aparecendo, por exemplo.

Mas, afinal, vale a pena comprar pneu remold? A resposta é, basicamente, não. Mas existem prós e contras.

Para remodelar, as empresas primeiramente desgastam o pneu e depois o cobrem totalmente com uma nova superfície de borracha.

A vantagem realmente é o preço mais em conta. Em compensação os remold duram cerca de 30% menos que os pneus novos, e ainda podem oferecer alguns riscos.

Um deles é a dificuldade na hora de balancear os pneus remold, fato que é relatado por boa parte dos consumidores.

Outro ponto que precisa ser destacado é o fato de não ser possível identificar a procedência de um pneu remold. Isso quer dizer que não dá para saber de que marca ele era antes de receber a nova camada de borracha, e nem em que estado o pneu estava.

Com isso, o carro pode ter a estabilidade comprometida, já que você vai correr o risco de ter um jogo de pneus com marcas e características diferentes, e que foram cobertos com nova borracha e, agora, são aparentemente iguais. Quer dizer, comprar um pneu remold pode ser uma verdadeira loteria…

Agora, se você estiver realmente decidido a comprar um remold, confira se ele tem o selo do Inmetro. E não confunda pneus remold com pneus recauchutados, já que estes últimos costumam receber uma nova borracha somente na parte que vai da banda de rolagem até os ombros do pneu, e não nele inteiro.

Encontre pneus e muitos outros produtos aqui na Monobloco, e não se esqueça de comparar os preços para economizar em todas as compras!

fonte: Zoom com adaptações.

Técnica: Alinhamento e Balanceamento

É normal o mecânico realizar o alinhamento e balanceamento nos pneus quando levamos o carro para a revisão periódica. Mas será que as pessoas sabem a importância de cada um deles? Ainda é comum no mercado a dúvida relativa à melhor forma de realizar estes serviços fundamentais para aumentar a vida útil de um pneu e dos componentes da suspensão. “É necessário ficar precavido e entender cada procedimento realizado no carro”, alerta José Carlos Quadrelli, Gerente Geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone – maior fabricante mundial de pneus. 

O pneu é um bem durável e importante item de segurança. Se o problema não for solucionado em tempo, corre-se o risco de reduzir sua vida útil, acarretando em prejuízos financeiros e riscos para o condutor e demais passageiros. 

O alinhamento é um serviço importante e deve ser feito quando se sente dificuldades em conduzir o carro em linha reta e quando o veículo começa a puxar para um dos lados. O desgaste irregular dos pneus também é outro indício de que o veículo não está corretamente alinhado. 

O termo alinhamento, na realidade, significa buscar o “Equilíbrio em Movimento” do veículo. Este procedimento é executado medindo e ajustando os ângulos que as rodas do veículo fazem em relação ao piso e às linhas de centro do veículo, equilibrando todas as forças que atuam no carro, tais como: gravidade, força centrífuga, força de viragem, etc, proporcionando maior eficiência de rolamento, desgaste uniforme dos pneus, melhor estabilidade e, consequentemente, mais segurança para o motorista e os passageiros. 

Os três ângulos mais importantes são: Cambagem – Consiste em um ajuste do ângulo de inclinação vertical da roda em relação ao solo. “O principal indício de que é necessário fazer esse ajuste também é o desgaste irregular em um dos ombros dos pneus”, informa Quadrelli. 

Caster – É o ângulo de inclinação do pino-rei ou do eixo de direção (linha imaginária que passa pelos pivôs superiores e inferiores da suspensão) em relação à vertical – fornece estabilidade auto-centrante e direcional; 

Convergência ou Divergência – É a diferença de distâncias entre as partes dianteiras e traseiras dos pneus (vistos de cima). O seu ajuste promove uma melhoria no padrão de desgaste dos pneus, especialmente sob frenagem. 

Balanceamento

O balanceamento geralmente vem acompanhado do alinhamento. Não se balanceia “pneus”, mas sim o conjunto pneu e roda. Existem duas maneiras de balancear, o estático e o dinâmico. O balanceamento “estático” pode ser feito com o conjunto imóvel. Já o “dinâmico” requer que o mesmo esteja em rotação e ajuda a corrigir problemas que o estático não consegue. Estes sistemas medem as forças geradas pelo conjunto em rotação. Quando o equilíbrio dinâmico é conseguido, o estático é automático e não tem necessidade de realizá-lo em separado. 

Ambas as formas de balancear evitam as trepidações no carro em velocidades acima de 60 km/h, deterioração do pneu, distúrbios de direção e comprometimento da capacidade de frenagem. 

A recomendação é que o alinhamento e o balanceamento sejam feitos a cada dez mil quilômetros, mesmo que o condutor não sinta nenhum comportamento anormal no automóvel. Em contrapartida, deve-se verificar sempre que houver troca de pneus/rodas, vibração do volante ou veículo, for efetuado o rodízio de pneus, um pneu ou câmara de ar foi consertado devido a furo ou corte, houve choque forte contra obstáculo na pista ou em buraco causando empenamento do aro, perda de contrapeso de balanceamento do aro e/ou o pneu gastou excessivamente em pontos isolados. 

O pneu é um bem durável e importante item de segurança. Se o problema não for solucionado em tempo, corre-se o risco de reduzir sua vida útil, acarretando em prejuízos financeiros e riscos para o condutor e demais passageiros. 

Fonte: Site da Bridgestone

Esqueça o medo de comprar pneus importados


Pneu barato, o pneu importado é uma ótima opção para quem quer economizar

Pneu barato, colocar pneus de qualidade e por um bom preço é provavelmente o desejo de muitos motoristas. Com isso, o pneu importado se torna uma opção para os proprietários de carro. No mercado brasileiro o pneu importado marca presença com uma variedade de marcas e modelos.

Pneus importados no Brasil

Facilmente encontrado em lojas especializadas, os pneus importados são, em sua maioria, originários da China. Pneu barato, ele pode se tornar uma excelente opção para aqueles que desejam economizar, mas sem perder a performance do seu veículo

Dados da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos apontam que 40% do mercado brasileiro de pneus é dominado pelos pneus importados. Sendo assim, ele se tornou uma opção de pneu barato. Consequentemente, o seu baixo preço o fez ganhar o mercado brasileiro. Contudo, sua entrada no Brasil foi intensificada devido aos altos custos dos pneus produzidos no país.

Pneus importados x pneus nacionais

Mas há diferença entre os pneus importados e nacionais? Claro que sim. Sendo um pneu barato, o importado tem algumas diferenças em relação ao pneu nacional. Assim sendo, a durabilidade e a qualidade são duas dessas diferenças. Por isso, é importante ficar atendo ao produto.

Qual o pneu certo para o seu carro

Saber qual o pneu ideal para o seu carro é fundamental para garantir a melhor performance. Porém, é importante lembrar que os pneus que vêm com o seu veículo são os ideais, pois foram pensados para aquele modelo de carro.

Outro ponto importante é índice de carga e velocidade. Por isso, você deve dar atenção a esse item, pois é a partir dela que você saberá o tipo ideal de pneu para seu veículo.  Ou seja, saberá as informações referentes à carga e a velocidade máxima que o pneu suporta. O índice de carga e velocidade adequado garante maior durabilidade e performance do pneu e são encontrados na banda de rodagem.

Pneu barato e verde

Sei que seu objetivo é adquirir um pneu com o melhor custo benefício, ou seja, um pneu barato. Mas antes de escolher considere um pneu importado “verde” ou ecológico. Apesar de ter um valor um pouco mais elevado, esse pneu terá um desempenho superior aos demais importados.

O pneu “verde” tem em sua composição sílica, que ajuda na redução de emissão de CO². Além disso, há uma redução do atrito do pneu com o asfalto, deixando o carro mais leve ao oferece baixa resistência ao rolamento. Com isso, há uma economia de combustível que pode variar de 5% a 15%.

Fonte: adaptação, rodacarpneus.com.br

Pneu possui prazo de validade?

Remédios, comidas, bebidas, tudo tem data de validade. Passou, estragou. Mas você sabia que pneu também tem? Aposto que você achava que se não usar, não gasta e continua valendo, não é? E ainda tem gente que se gaba dizendo que “apesar dos 15 anos de idade do carro, os pneus ainda são originais! ”

Isso está completamente errado! Os pneus duram, sendo usados ou não, cinco anos, no máximo seis, depois que foram fabricados. Por isso, é muito importante para sua segurança saber se os pneus do seu carro estão dentro desse prazo. Depois disso, precisam ser trocados mesmo que, aparentemente, ainda possam ser usados.

É que a borracha, com o passar do tempo, começa a ressecar, deixando o pneu mais vulnerável a estouros e a esfarelar a banda de rodagem, podendo provocar derrapagens. Para ver a data de fabricação é simples: é só procurar na lateral do pneu a marca, como na foto que está abaixo. Ali, os dois primeiros algarismos indicam a semana e os seguintes, o ano em que foram fabricados. No caso, o pneu foi fabricado na 3ª semana do ano de 2013. Passou do tempo de validade, ou seja, cinco a seis anos no máximo da data de fabricação dos pneus de seu carro, troque-os.

Fique de olho nessa data, também, quando for adquirir pneus novos. Pode ser que, na hora de comprar, um vendedor mal-intencionado resolva “empurrar” aquele jogo de pneus que está no estoque há algum tempo e bem próximo da data de validade.

Ah, não se esqueça do eterno “esquecido”: o estepe. Mesmo sem ter sido usado, depois de cinco anos ele também deve ser trocado!

Fonte:carroscomcamanzi.com.br

SAIBA A IMPORTÂNCIA DE TROCAR O ÓLEO DO CARRO REGULARMENTE


Esqueceu de trocar o óleo do carro. Tem problema? Tem sim e muito. O óleo do carro é como o sangue que circula em nossas veias. Não conseguimos viver sem sangue. É assim com a falta de óleo.


O óleo do carro é como o sangue que circula em nossas veias. Não conseguimos viver sem sangue.

Esqueceu de trocar o óleo do carro. Tem problema? Tem sim e muito. O óleo do carro é como o sangue que circula em nossas veias. Não conseguimos viver sem sangue. E quando perdemos muito sangue, desmaiamos, perdemos a consciência. É assim com a falta de óleo, ou óleo muito baixo no motor do carro.

O nível deve ser sempre conferido, e de tempos em tempos trocado. E ainda observar sempre o tipo de óleo que pode ser colocado no motor do seu carro. Nem sempre o óleo que vai no motor do carro do seu vizinho serve para o motor do seu carro.

A lubrificação correta é fundamental para a vida útil do motor e deve fazer parte da rotina de manutenção do veículo. A função básica do óleo é, que com sua viscosidade, se evite atrito entre as peças do motor, impedindo que se desgastem ou até travem o motor. Por essa razão, a troca deve ser feita regularmente, pois o óleo vai aos poucos perdendo sua viscosidade e aderência.

Verifique o manual do fabricante, se atente ao modelo e quantidade indicados, assim como a periodicidade de troca, por período ou por quilometragem rodada.

Além do óleo, devemos ficar atentos ao filtro de óleo. A função do filtro de óleo, é eliminar partículas de metal que são geradas pela fricção das peças dos motores. O contato das peças do motor, como os pistões, podem gerar impurezas muito nocivas ao bom funcionamento do motor. Aí entra a importância do filtro de óleo.

Antes aconselhava-se a troca do filtro a cada duas ou três trocas de óleo, mas hoje, as principais montadoras indicam a troca sempre junto com a troca de óleo. E realmente é o mais indicado, pois as novas tecnologias aplicadas aos motores geram mais atrito e calor, gerando maior quantidade de impurezas.

E observe também onde realizar a troca de óleo e filtro. Procure locais indicados por amigos ou com profissionais treinados e qualificados. Hoje, o carro, também é membro da família.

Fonte: Luciana Viturino

Vida útil do pneu

A manutenção preventiva é fundamental para garantir o melhor desempenho e a segurança de um automóvel. E um dos itens que precisa de cuidado e substituição de tempos em tempos é o pneu.

Você sabia que a vida útil de um pneu varia de acordo com o uso do carro, as condições de tráfego e também a forma que o veículo é conduzido? E mais: algumas atitudes podem fazer com que ela seja prolongada!

Se você quer saber como cuidar bem dos pneus do seu carro e garantir o maior rendimento, passe em uma das nossas lojas e saiba todas as informações para deixar seu pneu sempre em dias!

Hora de trocar o óleo do seu veículo

Fazer a troca periódica do óleo do carro é um dos principais cuidados para manter o seu veículo em perfeito estado e garantir um bom tempo de vida útil do motor. Não saber qual a hora certa de trocar óleo de carro pode fazer com que seu carro rode com óleo fora do prazo de validade, o que pode comprometer todo o sistema de lubrificação, podendo até mesmo oxidar e fundir o seu motor.

É importante fazer essa manutenção de tempos em tempos. Mas qual é exatamente a hora certa de trocar óleo de carro? Veja algumas dicas: *Verifique o nível de óleo do veículo;
*Siga a orientação do fabricante para a troca de óleo;
*Fique atento ao filtro de óleo;
*Fique atento com o óleo velho.

Agora que já sabe a hora certa de trocar seu óleo, passe em uma das lojas da Monobloco é faça sua troca de óleo com garantia!

Trepidação no volante? Veja algumas dicas!

1.Problemas no motor:

Algumas vezes a vibração vem do compartimento do motor, isso pode acontecer porque o propulsor não está recebendo ar ou gasolina suficiente ou há algo de errado com as velhas. Entre os sintomas que indicam que o mal está motor: o carro vibra durante a aceleração; em um certo nível de velocidade o carro trepida bastante.

Estes sintomas indicam que chegou a hora de trocar as velas. Porém, se elas estiveram bem, pode ser que os cabos delas não estejam bem conectados ou tenham algum defeito, ou seja, é preciso trocá-los. Também convém checar se o filtro de ar está sujo ou se o de gasolina está entupido. Para evitar que eles cheguem a esse ponto crítico, é importante realizar a troca deles no intervalo indicado pela fabricante.

2. Problemas no eixo:

Os eixos precisam rodar sem empecilhos para que o carro trafegue apropriadamente. Porém, esses componentes podem ser danificados em casos de choques, o que também ocasiona vibração em altas velocidades. Um dos eixos que pode apresentar esse tipo de mau funcionamento é o da transmissão. Responsável por transferir a potência do motor ao eixo das rodas, essa parte gira rapidamente. Caso não esteja reto, o eixo da transmissão vibrará quando o carro estiver ligado. A homocinética também pode causar trepidações caso estejam muito desgastadas ou danificadas pela ação da poeira das ruas ou de outros tipos de sujeira. Nesse caso, é preciso fazer a troca da peça.

3. Problemas nos freios:

Se durante a condução o motorista pisar no freio e senti-lo vibrar, seguramente há um problema nos rotores. Se o motorista frear mais do que o “normal”, os freios podem superaquecer, e isso pode fazer com que os rotores cedam e até quebrem. Ao invés de ficar plano, ele pode perder a forma. 
Deste modo, quando o motorista afunda o pé no freio, e as pinças e pastilhas apertam o disco dos freios acabam não conseguindo se agarrar a um rotor deteriorado. Nesses casos, o mais indicado é levar o carro a um especialista para que ele cheque as condições do disco ou dos tambores, caso seja esse o tipo de freios que equipa o modelo em questão.

Agora que já sabe, traga seu carro para ser avaliado por nossos especialistas!